Espreguiçar sem exagerar

Penso que seja muito comum as pessoas se espreguiçarem quando acordam. Não sei vocês, mas comigo é quase automático. Acordou, percebeu que está acordado e que está na hora de levantar. Às vezes, ainda nem consegui abrir os olhos totalmente e já estou me espreguiçando. Depois de algumas horas dormindo, é bom dar uma esticada para sair daquele modo entrevado.

Por aqui, além das espreguiçadas, ainda sai umas estaladas nos braços e, às vezes, nas pernas. Parece que se não faço isso, fica faltando alguma coisa. Parece que ainda não acordei de fato. Ou estou acordado, mas sem flexibilidade nenhuma. O problema desses alongamentos é que ao acordar, eu, pelo menos, às vezes ainda não estou raciocinando direito.

Pode acontecer, daí, o que aconteceu dias atrás. Sei lá o movimento que fiz com o braço e senti algo no ombro. Parecia um mau jeito, mas que apareceu só depois da esticada matinal. Uns dias depois, foi a vez do pescoço. Não sei se tem hora de estalá-lo nem se faz bem, mas decididamente não é depois de acordar no meu caso. Passei o dia todo sentindo o pescoço. Esses incômodos acabam atrapalhando um pouco na hora de correr. Por outro lado, correr faz eles diminuírem ou sumirem em algumas vezes.

Tento me policiar, mas como falei antes, é tão automático e tão sem pensar na maioria das vezes só percebo as coisas depois que já fiz. Já aconteceu de perceber imediatamente após. Dei aquela estalada e já senti: OPA, HOJE DEU RUIM E O DIA VAI SER UMA BOSTA. No caso do pescoço, geralmente passa quando durmo. No caso do ombro, porém, o incômodo perdurou por alguns dias. Espreguice-se, mas vai com calma.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *