Nageeye e Hailu triunfam na Maratona de Roterdã

O medalhista de prata olímpico Abdi Nageeye fez uma finalização bem cronometrada para vencer a Maratona de Roterdã, sua primeira vitória na carreira na distância clássica, enquanto a etíope Haven Hailu venceu a prova feminina de forma convincente neste domingo (10/04/22).

As duas corridas se desenrolaram de maneiras contrastantes. Um grande grupo de líderes se formou no início da corrida masculina, ao percorrer 10 km em 29:29 e a meia maratona em 1:02:16. O pelotão começou a diminuir na segunda metade, e na marca de 30 km – alcançada em 1:28:31 – apenas sete homens permaneceram no grupo: Nageeye, o medalhista de bronze olímpico Bashir Abdi, Leul Gebreselassie da Etiópia e os quenianos Dominic Kiptarus, Reuben Kiprop Kipyego, Kenneth Kipkemoi e Philemon Kacheran.

Kipyego e Gebreselassie continuaram a empurrar o ritmo nos estágios finais e foi o suficiente para derrubar a maioria dos atletas restantes no pelotão da frente. Abdi, que estabeleceu um recorde europeu de 2h03min36s ao vencer a remarcada Maratona de Roterdã do ano passado em outubro, começou a ficar para trás pouco antes de 40 km, deixando Nageeye, Kipyego e Gebreselassie brigando pelos lugares do pódio.

Kipyego não conseguiu igualar o ritmo final de Gebreselassie e Nageeye enquanto a dupla corria para a linha. No final, Nageeye apenas se adiantou para cruzar a linha em 2:04:56, tirando mais de um minuto do recorde holandês que ele estabeleceu nesta mesma cidade em 2019. Gebreselassie obteve o mesmo tempo em segundo lugar, o quinto sub 2h05 de sua carreira, enquanto Kipyego ficou em terceiro em 2:05:12, 11 segundos à frente de Abdi.

Na prova feminina, a etíope Haven Hailu e a dupla queniana Daisy Cherotich e Stella Barsosio fizeram uma quebra precoce do pelotão, chegando aos 10 km em 32:55 – em ritmo acelerado para desafiar o recorde do percurso de 2h18:58 estabelecido há 10 anos pela campeã olímpica de 2012 Tiki Gelana.

Elas não conseguiram manter esse ritmo por muito mais tempo, mas ainda chegaram à metade do caminho em 1:09:56, dentro do ritmo de 2h20. Quase dois minutos atrás, a recém-chegada Nienke Brinkman, da Holanda, estava correndo sozinha.

Alguns quilômetros depois, Hailu rompeu com Cherotich e Barsosio. Cherotich aguentou um pouco mais que sua compatriota, mas no 35º km – que Hailu alcançou em 1h57:34 – Brinkman subiu para o segundo lugar.

Brinkman continuou a ganhar terreno nos estágios finais, mas a liderança de Hailu estava segura e a corredora de 24 anos cruzou a linha de chegada em 2h22min01seg. Foi o segundo tempo mais rápido de sua carreira, depois do PB de 2h20:19 que ela estabeleceu em Amsterdã no ano passado, mas sua primeira vitória em maratona até hoje.

Brinkman, que só começou a correr em 2020, foi recompensada com um enorme PB de 2:22:51 em segundo lugar, quebrando o recorde holandês estabelecido em 2003 por Lornah Kiplagat. Zhanna Mamazhanova, do Cazaquistão, terminou bem ao ficar em terceiro lugar em 2h26min54seg, tirando mais de um minuto do recorde nacional que foi estabelecido em 1987.

Resultados

Mulheres
1 Haven Hailu (ETH) 2:22:01
2 Nienke Brinkman (NED) 2:22:51
3 Zhanna Mamazhanova (KAZ) 2:26:54
4 Munkhzaya Bayartsogt (MGL) 2:29:25
5 Tristin Van Ord (EUA) 2:29:32
6 Carolina Wikstrom (SWE) 2:29:51
7 Alisa Vainio (FIN) 2:29:56
8 Daisy Cherotich (KEN) 2:30:42

Homens
1 Abdi Nageeye (NED) 2:04:56
2 Leul Gebreselassie (ETH) 2:04:56
3 Reuben Kiprop Kipyego (KEN) 2:05:12
4 Bashir Abdi (BEL) 2:05:23
5 Kenneth Kipkemoi (KEN) 2:06:22
6 Rodgers Ondati Gesabwa (KEN) 2:09:40
7 Abida Ezamzami (MAR) 2:09:52
8 Philemon Kacheran (KEN) 2:10:12

© AFP / Getty Images

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.