Não sei se voltei

Ontem foi dia de mais uma tentativa de trote. Diferente de 10 dias atrás, desta vez não fiz corrida contínua e fui na grama. Fugi de muito tempo correndo e do asfalto e do cimento. Fui andando de casa até a Beira Mar de São José, o que também deu tempo para o GPS se localizar. Tentei fazer uma caminhada mais rápida, para já ir aquecendo.

Quando cheguei na grama, tive uma boa surpresa: estava toda cortada. Acho que a prefeitura passou por lá nos últimos dias. Estava tudo visível, ficou mais fácil de correr. Fui de um lado para o outro, não sabia bem quanto ia dar. Descobri correndo que era em torno de dois minutos, um pouco menos se fosse mais rápido. Em casa, olhando o treino no Garmin, também fiquei sabendo que a distância aproximada era de 330 metros.

O plano era fazer essas repetições trotando, em ritmo leve, com descanso de 1 minuto, parado ou andando. Não tinha um número bem definido. Iria fazer até chegar perto dos 30 minutos e voltar para casa. Levando assim, saíram 8 corridas curtas neste espaço de grama. Fiz todas sem olhar o ritmo no relógio. Não faz sentido controlar o ritmo agora. Deixei na tela apenas o tempo e a distância total. Apertava apenas o lap para ver depois como tinha sido.

Como fui na sensação de esforço, estava meio perdido no ritmo. Desde o primeiro já senti um pouco de cansaço, mas não exatamente por falta de fôlego. Foi mais pelo tempo inativo. Corri 2 vezes em 37 dias. O condicionamento até não está tão ruim, mas os movimentos de corrida não são naturais como antes. Preciso de mais alguns treinos.

A panturrilha desta vez não reclamou tanto e consegui um quase calo no pé direito. Culpa desse tempo sem correr. Ainda senti um pouco o joelho, mas foi muito pouco, bem melhor do que a tentativa que fiz há 10 dias. Com o decorrer do treino, o incômodo diminuía, mas em alguns momentos voltava. No geral, foi bom. Terminei conseguindo andar sem problemas e hoje, o dia seguinte, está tudo normal.

Parece que as coisas estão melhorando. O próximo treino de corrida será só no sábado. Enquanto isso, terei bicicleta e pilates nestes dias. Além de tudo que falei, o que mais me surpreendeu foi o ritmo das repetições. A minha sensação era de que, mesmo nos mais rápidos, estava em um ritmo de 6 min/km para cima. Só que foi ao contrário.

Comecei com 6:08 e foi diminuindo. As últimas 4 repetições foram entre 5:34 e 5:38. Parecia bem pior. Só consigo pensar que a bicicleta ajudou a manter o condicionamento. Junto disso, não sentir a dor de antes no joelho também contribuiu. Correr ainda condicionado e sem dor já anima mais. O pilates e a fisioterapia podem ter sua parcela nisso também, mas não sei se deu tempo do efeito deles aparecerem.

Os sinais do treino de ontem foram positivos, mas ainda não sei dizer se voltei de fato. A tendência é melhorar, mas vamos com calma. O ritmo que fiz por meros 2 minutos nas repetições me deixou satisfeito. Talvez na Tribuna em Santos consiga correr os 10 km sem parar. De repente, sai até algo sub 1 hora. Os testes continuam e espero não ter nenhum revés.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.