Coluna do Enio – O dia do quase recorde pessoal

No último fim de semana em Joinville, foi realizada a 2ª Corrida Adria Santos. Estive lá correndo a prova de 5 km. Fomos em uma excursão de amigos e o meu objetivo nessa prova era fazer meu tempo mais rápido nos 5 km. Já tinha visto e analisado o percurso nos dias anteriores. Até montei o percurso no MapMyRun para me certificar da altimetria da prova. Confirmei que era bem plano e que poderia tentar correr forte.

Só tinha um incômodo na perna direita que vem e vai, mas não atrapalhou no momento da prova. Pois bem. Foi dada a largada e consegui manter um bom ritmo. Faltou um pouco de perna no fim, mas ainda assim o pior ritmo foi até bem forte para meus padrões. Os treinos do Adriano Bastos estão fazendo efeito. Só que este texto não é para falar de como foi a prova em si. E sim sobre como quase consegui o recorde pessoal nos 5 km.

Por aquelas coisas da vida e das corridas que temos bem aferidas, os 5 km tinha menos de 5 km. O meu GPS marcou 4,98 km. Você pode achar que 20 metros não é nada, mas o GPS não pode marcar a menos. Isso é um claro sinal de que tinha menos. E fui dos que mais corri na rua. A maioria das pessoas encurtavam o caminho das curvas passando pela calçada. Parece que estava praticando corrida de calçada e não de rua. Pela média e pela projeção, seria meu recorde pessoal, mas se a corrida não tem a distância, não há recorde.

Em 2013, também participei de uma corrida de 5 km que tinha 4,92 km. Lá fiz minha melhor média, 4:24 min/km. No domingo passado, a média ficou em 4:27 min/km. Enquanto não encontro uma prova de 5 km com pelo menos 5 km, o recorde pessoal da distância segue sendo 23:09, mas os recordes não oficiais já somam 3: 23:01 em uma prova de 4,99 km; 21:38 em uma prova de 4,92 km e agora 22:07 em uma prova de 4,98 km.

A única que tinha 5 km foi a Track&Field do Shopping Mueller em Curitiba, mas lá, com as subidas e ainda não tão bem, fiz 23:34. E mesmo assim, o GPS marcou exatos 5,00 km, o que dá indícios de que poderia ter um pouco menos. Sempre desconfio de GPS que dá a marcação exata. Se ele não der uns metrinhos a mais, já acho que tem coisa errada e o percurso era menor. Para não ser tão radical, se a distância der exata, até posso considerar recorde pessoal, mas com ressalvas. Tipo o recorde mundial da maratona do Geoffrey Mutai em Boston 2011. Era o mais rápido, mas não era o recorde oficial.

Sei que já fiz e posso fazer melhor que 23:09, mas está difícil de uma prova ter os ditos 5 km. Cada vez mais tenho certeza que Curitiba é o paraíso das distâncias aferidas, quando comparado com Santa Catarina. Pelo calendário, não tenho mais provas de 5 km este ano. Vou ter que me contentar com o melhor ritmo médio. Enquanto isso, seguimos treinando pensando na Golden Four ASICS SP. A planilha nova do Adriano Bastos chegou e vai ser bem divertido.

Adriano Bastos Treinamento Esportivo. Conheça mais da assessoria clicando na imagem abaixo.

adriano bastos

pb
Foi por pouco!

2 thoughts on “Coluna do Enio – O dia do quase recorde pessoal

  1. Realmente, muito frustrante…..mas também já aconteceu comigo ( e acho que com a maior parte dos corredores). Fiz uma prova com supostos 10 km, mas o Garmin no final marcou 9.97 km em 41:01. Assim meu recorde nos 10 km continuaram sendo os 41:49 de uma prova realmente com 10 km. Mas pelo menos mostra que se está no caminho certo e logo que se encontre uma prova aferida esse recorde vai ser batido. Bons treinos!!

    1. Acredito que todos já passaram por isso. Pelo menos, foram poucos metros e mostra que alguma coisa certa estamos fazendo. Valeu pela mensagem. Bons treinos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.