Sem dores

Venho experimentando momentos estranhos nas últimas semanas. Gradativamente, as dores no joelho foram sumindo. Hoje, sinto apenas leves incômodos em determinados momentos e devido a movimentos ou posições específicas.

É estranho, mas é muito bom. É estranho porque desde o final de 2015 alguma dorzinha sempre esteve presente na região do menisco rompido. Com mais intensidade em determinados dias, com menos em outros, mas sempre por ali.

É muito bom porque fazia muito tempo que não lembrava o que era correr e não ter doer. Inclui aí também o não sentir dor antes nem depois. Os treinos estão saindo cada vez melhores, consigo correr bem, forte e não tem nenhuma dor como antigamente acontecia.

Meus palpites recaem sobre o pilates e menos volume nos treinos. Ter diminuído os treinos desde junho deve ter contribuído. Menos impacto por menos tempo. Junto com isso, o pilates ajudou a fortalecer as pernas e o corpo todo, coisa que nunca tinha feito.

Estou no sétimo mês do pilates e acredito que ele tem sido muito importante nessa retomada para correr bem e em um ritmo que não sabia se iria conseguir novamente. Ano passado foi bem complicado e não tão rápido. Neste ano, a partir de agosto, encaixei um ritmo legal, inclusive com recorde pessoal nos 5 km.

O próximo passo pretendo dar em dezembro, aumentando aos poucos o volume para sentir se o joelho aceita bem ou não. Se as coisas continuarem como estão, vou pensar em tentar aumentar as distâncias em 2018. Até estou gostando bastante dos 5 km, mas quero testar 10 km e 21 km para saber se o joelho não vai reclamar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.