Categorias
Geral

Noturna

No último sábado, dia 30 de janeiro, estive na Praia do Santinho para acompanhar a Night Run Costão do Santinho. Fui lá para fazer a cobertura da prova para o Por Falar em Corrida. Foi a reestreia do Guilherme nas corridas depois de um ano. Eram bons motivos para ir até lá. O dia estava quente e parecia que seria uma grande noite e uma prova bem legal.

Eis que ali pelas 19:30, o tempo fecha, fica tudo escuro, começa um vendaval e uma chuva torrencial. Daquelas de levar as tendas das assessorias, queimar caixas de som e prejudicar o sistema de cronometragem. Foi bem feio. Por vários momentos, parecia que não ia ter prova. A chuva só diminuiu depois das 20 horas.

Pois bem. A corrida aconteceu, mas não na sua totalidade. Eram duas distâncias, 10 km e 5 km e virou uma só, de 5 km. O sistema de som com problemas impediu a maioria dos corredores de tomarem conhecimento dessa mudança. Além disso, não houve chip porque a chuva danificou o sistema de cronometragem.

Dito isso, cada vez mais reitero minha falta de vontade de correr provas noturnas. A Night Run teve seus problemas, mas mesmo que fosse perfeita, sem chuva e sem vento, não seria algo que figuraria na minha lista de preferências. Correr, para mim, precisa ser de manhã. É quando me sinto melhor e quando estou acostumado. À noite, seja em praia ou asfalto, pouco se enxerga, é ruim de correr e até as fotos que o pessoal tira ficam ruins.

Se chove e tem vento, fica pior ainda. Fora que ainda tem o fato de que mexe em toda a rotina. Talvez tenha que almoçar menos, não comer no horário normal noturno de sempre. Não é para mim. No entanto, assistir e fazer a cobertura até me agrada, desde que a dona mãe natureza não faça cair o mundo. O ruim é que não dá para fazer um vídeo decente da largada.

E aí embaixo tem a cobertura que fiz brilhantemente na vertical:

Categorias
Geral

O melhor horário para correr

Este ano, já corri em todos os períodos possíveis. No começo do ano, alguns treinos foram no fim do dia. Depois, passei a correr à tarde, ali pelas 16h. Nos meses seguintes, experimentei correr antes do almoço e percebi que o treino rendia mais. Aí, os treinos começaram a ser a partir das 13h30. Por fim, a última mudança foram os treinos a partir das 5h, para que ficasse com o resto do dia livre. Correndo cedo, consigo almoçar assim que chego em casa e o dia rende mais.

Dito isto e sendo repetitivo para quem já leu os posts anteriores, gosto de correr antes de todas as outras coisas. Correr depois do almoço é um problema. Porque se for correr às 16h, a digestão ainda não foi completa e o treino nunca rende tão bem, além do vento que está sempre presente na Beira Mar. Depois das 18h/19h, quando a digestão já foi feita, está escuro e geralmente tem mais vento. Não gosto de correr à noite. E vejam bem: noite é diferente de madrugada no meu conceito. Correr entre 19h e 23h é noite. Correr a partir das 5h da manhã é de madrugada.

Ambas as situações são escuras, mas a que me causa mais insegurança é a primeira. Sair pelas ruas sem a luz natural não é o que gosto, mas nos dias de trabalho e para ficar com o dia livre, correr de madrugada foi a opção que restou. Das experiências que fiz e venho fazendo nesses anos de corrida, meu treino rende muito mais de manhã. Na verdade, logo depois de acordar. Em jejum. Comer uma banana ainda vai, mas comer a quantidade que como no almoço estraga tudo. Tem ainda o fato de que deixar para correr no fim do dia acaba meio que deixando uma pendência a resolver.

Até faço algum planejamento do dia, mas nem sempre as coisas saem do jeito que pensamos. Correr no fim do dia me faz sentir preso e pode engessar o que vem antes. Fora que a possibilidade de matar um treino por causa dos acontecimentos prévios do dia é bem grande. Cansaço, estresses, outras coisas que surgem, são várias as situações. Por isso, geralmente é no sábado que consigo correr no horário que realmente gosto. Acordar cedo, mas não a ponto de começar o treino com o dia escuro e ainda escapar do sol e do calor.

Resumindo a situação ideal: acordar cedo, correr de manhã com a luz do dia e antes de comer. Correr tem que ser a primeira atividade do dia. Gosto de correr, mas não gosto que a corrida fique para o fim do dia. Acaba sendo mais obrigação do que vontade e deixa o resto do dia amarrado. Se não der para ser com a luz do dia, que seja cedo, antes do trabalho, ainda que seja escuro. O dia clareia no decorrer do treino, menos no horário de verão. A segunda hipótese é correr antes do almoço, após chegar do trabalho. Ainda é bom porque não almocei. As outras duas hipóteses, correr à tarde e à noite, só em últimos casos. Se for um trote, ainda vai. Fora isso, já sei que a chance de ser um treino arrastado é enorme.

Categorias
Geral

A influência do horário de verão

Há algumas semanas, comecei a correr cedo, de madrugada. Começo os treinos e ainda está escuro e termino de correr com o dia amanhecendo, já claro. Geralmente, os treinos têm início entre 5h e 5h10 da manhã. Foi o jeito que encontrei de correr antes de tudo e deixar o resto do dia livre. Com a chegada e estabelecimento da primavera, o amanhecer foi ficando cada vez mais cedo. O que antes era 6h01, 5h59, agora é por volta das 5h49, 5h45. Para mim, é muito bom, já que corro menos tempo no escuro.

Não que seja um problema enorme, mas prefiro correr com alguma claridade. As circunstâncias me fizeram optar por começar quando ainda nem amanheceu. Quando as coisas estão melhorando, começando a clarear mais cedo, vem quem? O horário de verão, belo e formoso, adiantar uma hora do relógio e acabar com a minha breve felicidade que começava a se manifestar. Sim, porque agora o dia que clareava a partir das 5h45, vai clarear às 6h45. Ou seja, meus treinos de madrugada serão, acredito, 100% no escuro.

O horário de verão, para quem ainda não sabe, começa no próximo domingo, à meia-noite, dia 18 de outubro e só termina em 22 de fevereiro. Para quem mora em Santa Catarina, como eu, o relógio será adiantado em uma hora. Ganha-se mais no fim do dia, mas a claridade do começo é perdida. Essa hora a mais garante claridade e sol, por vezes, até as 20h. Correr no fim do dia não está no topo da minha lista de preferências. Para todas as outras coisas, gosto do horário de verão, mas para correr não funciona.