Categorias
Podcast PFC

PFC 173 – Deu Ruim no Treino

Deu ruim no treino. É sobre isso que Enio Augusto, Guilherme Preto, Juliana Falchetto, Mauricio Geronasso e Nilton Generini falaram nesta edição. Sempre tem aquele dia que o treino não rende e há diversas formas de encarar essa situação. O que é um treino ruim para você? Como encarar essa situação? Dificuldades mentais e físicas? Compartilhe a sua experiência de treino ruim conosco.

[powerpress]

Link relacionados (ou não) com a edição:

Encomende a camiseta do Por Falar em Corrida

Loja do Por Falar em Corrida

Esta edição é um oferecimento de BABA CALANGO CONFECÇÕES

Inscreva-se no canal do POR FALAR EM CORRIDA no YouTube

Assista à edição 173 – DEU RUIM NO TREINO no YouTube:

Categorias
Geral

Coluna do Enio – As condições ideais

Se você esperar pelas condições ideais, nunca vai fazer nada. Esta frase aparece vez ou outra por aí na internet mais ou menos dessa forma e tem vários autores. Ela se ajustou bem ao que passei na Meia Maratona de Pinhais no último sábado e também se aplica aos treinos que venho fazendo nas últimas doze semanas. Esperar as condições físicas e climáticas perfeitas pode resultar em ficar muito tempo sem sair para correr.

Acordei sábado com um incômodo chato na perna. Chato, mas conhecido. Nada que me impeça de correr, mas não é algo que me deixa 100%. Não gosto de chamar de dor porque não dói, não é bem uma dor. É um desconforto que vez ou outra aparece e tenho quase certeza do porquê. Até sexta, estava tudo bem. Algo aconteceu no sono de sexta para sábado.

Ao longo do sábado, foi amenizando, mas a viagem de ônibus de cinco horas entre Florianópolis e São José dos Pinhais não ajudou muito. Ainda que tenhamos chegado com mais de uma hora antes da largada, estava meio travado. Não estava nas condições que gostaria. Mas, né? Lá estava e a largada iria acontecer de qualquer jeito.

O treino longo de 18 km do sábado deixei para fazer durante a prova. Foi dada a largada e lá fui eu, com aquele desconforto que fazia questão de dizer que estava ali a cada passada. Usei os três primeiros quilômetros como aquecimento e ele foi sumindo, como quase sempre some.

Depois do aquecimento, corri os 10 km em 52:39 (5:16 de média), dentro do previsto. Aí vinha a parte mais complicada do treino. 4 km em ritmo mais forte, no ritmo da meia sub 1h40. Desconfortavelmente, acelerei e juntei o desconforto da perna com o desconforto do esforço. Fiz os 4 km em 18:52 (4:43 de média), no ritmo que deveria fazer.

O problema maior veio depois. Diminuí demais o ritmo depois desses 4 km e não tive mais força nem vontade para correr os 4 km finais da prova no ritmo de antes, ali por 5:20 min/km. Se tivesse continuado forte, seria mais fácil e menos sofrido. Até esbocei tentar correr mais forte, mas o corpo e a cabeça já não mais queriam depois de terem feito a parte mais difícil do treino, que eram aqueles 4 km em 18:52.

Todo este texto, para chegar ao seguinte: foi uma corrida muito ruim para manter o ritmo. A todo instante, o incômodo, vejam só, incomodava. Além de não estar me sentindo muito disposto. Ainda que tenha utilizado como treino, foi um treino sofrido, mais do que é normalmente. Não via a hora de terminar. No entanto, precisava fazer o ritmo determinado, pelo menos até os 4 km forte. Depois, tinha que manter o ritmo dos 10 km, mas foi impossível.

Pensando nisso, durante a corrida e a viagem, dei-me conta que não só no sábado, mas em outros dias também fui treinar sem as condições ideais, sejam físicas ou climáticas. Já falei um pouco disso nas colunas anteriores (Mau Dia e Não existe treino feio) e a Meia de Pinhais me trouxe isso de volta. Pode estar ruim, vai estar ruim, mas no dia da prova alvo pode estar também.

Treinando nas piores condições, posso no dia da prova conseguir algo melhor que nos treinos. Talvez um dia ruim na corrida me impeça de fazer o tempo que desejo, mas vai me fazer lidar melhor com os obstáculos que podem aparecer (Améééééém!). Como é para mim, certamente eles vão aparecer. Seguimos treinando. Às vezes bem, (muitas) outras não, mas seguimos. Sendo possível, no ritmo estipulado. Faltam três semanas para a Golden Four ASICS SP.

Conheça mais da Adriano Bastos Treinamentos Esportivo clicando aqui ou na imagem abaixo.

adriano bastos

Onde encontrar o Por Falar em Corrida:

Escute o Por Falar em Corrida:

Categorias
Geral

11 coisas para lembrar durante um treino ruim

Acontece com todos nós. A cabeça não ajuda, o corpo não quer ir, a respiração fica descompassada, coração saindo do peito, nada rende. O primeiro impulso é parar e voltar para casa. Afinal, por que se submeter a tal tortura? Assim como temos dias ruins em casa ou no trabalho, temos dias ruins correndo. Sem os dias horríveis, como apreciaríamos os dias bons? O blog Shut Up and Run listou 11 coisas que devemos lembrar durante um treino muito ruim.

  • Não importa quão horrível você se sinta, você pelo menos saiu de casa, ou seja, está fazendo muito mais do que aquelas pessoas sentadas no McDonald’s esperando pelo seu Mega Mac.
  • Treinos ruins ajudam a construir sua força mental. Algumas vezes, os treinos que fazem você se sentir mais incrível depois de realizá-los são os que foram mais difíceis de fazer. Quando isso acontecer em uma corrida, lembre-se dessas experiências.
  • 99,9% das vezes um treino ruim é seguido de um ótimo treino. É algo mais antigo do que o primeiro ser vivo.
  • Este pesadelo de treino ruim acabará logo e você vai ter o restante do dia para fazer outra coisa que não seja correr.
  • Um treino ruim não te define como um corredor. Supere e siga em frente.
  • Um dia terrível correndo é ainda melhor do que não correr.
  • Pode haver um pedaço de bolo aguardando você no fim do dia.
  • Quem te faz sofrer é o seu corpo ou sua mente. Se sua mente está te atormentando, simplesmente mande ela para a PQP e ignore. Se o seu corpo está cansado ou dolorido, diminua o ritmo e saiba que o aquecimento vai te deixar mais solto, relaxado. Cada passa para frente é um passo mais perto do fim da agonia.
  • Se você está sofrendo porque está de ressaca de tanta beber ou comer, não pare. Muitas vezes, a corrida limpa algumas das toxinas e você vai se sentir melhor depois.
  • Pense (não de forma obsessiva) sobre porque você pode estar se sentindo mal correndo. Overtraining, dormindo pouco, a dieta não está funcionando ou algo do tipo? Se puder identificar algo específico, então o faça. Talvez esse seja o motivo da sua corrida não render. Caso não haja nada específico, apenas aceita que dias ruins acontecem e isso vai passar.
  • Lembre-se que mesmo uma corrida ruim está lhe dando algum tipo de alívio de estresse e você está queimando um número razoável de calorias.

Quando foi sua última corrida ou treino ruim?

Post traduzido. Link original:
http://www.shutupandrun.net/2014/10/11-things-to-remember-during-horrible.html