Categorias
Podcast PFC

PFC 202 – Emerson Iser Bem

Recebemos nesta edição Emerson Iser Bem, corredor brasileiro que ficou conhecido por todos como o vencedor da São Silvestre em 1997, vencendo ninguém menos do que Paul Tergat. Além de relembrar essa vitória, ele nos contou um pouco da sua história na corrida e das diferenças da corrida nas décadas passadas e atualmente.

Escute e divirta-se!!!

[powerpress]

Deixe seu comentário sobre esta edição.

Envie uma mensagem. A sua opinião é muito importante para nós.

Conte-nos de qual cidade você é e há quanto tempo corre.

Sugestão de pauta, relatos de prova, dicas, dúvidas, perguntas ou um simples “oi” são sempre bem-vindos.

Compartilhe suas fotos no Instagram com as hashtags abaixo e tenha seu nome lido no podcast.
#porfalaremcorrida
#euescutopfc


PADRINHOS/MADRINHAS DO POR FALAR EM CORRIDA

Cynthia Aires
Eduardo Masuda
Família Nery
Lorna da Silva
Luiz Fernando de Oliveira
Marcelo de Oliveira
Natan Alcantara
Regis Chachamovich
Renata Mendes
Roberta Pereira
Washington Lins

SEJA PADRINHO/MADRINHA DO POR FALAR EM CORRIDA


CONHEÇA O POR FALAR EM CORRIDA
Informação com diversão e bom humor

Podcast
YouTube

Instagram
Facebook
iTunes
SACo (envie sua mensagem)
Feed do podcast
Grupo do Por Falar em Corrida no Strava
Todas as edições
Blog do Enio
Blog do Guilherme


Emerson Iser Bem:

Links:


Quer falar com o Por Falar em Corrida? Envie sua mensagem ou áudio para o nosso e-mail
[email protected]

As mensagens também podem ser enviadas através do SACo
ENCHA O NOSSO SACO!

Se preferir, envie um áudio pelo WhatsApp
48 99187-9316

SEJA PADRINHO/MADRINHA DO POR FALAR EM CORRIDA
Contribua com o nosso projeto e ajude a manter o Por Falar em Corrida ativo
Este conteúdo será sempre gratuito, mas com a sua ajuda fica muito mais fácil

Encomende a camiseta do Por Falar em Corrida
Se não tem o seu tamanho, avise-nos que em breve devemos ter novas camisetas

Loja do Por Falar em Corrida
Na nossa humilde lojinha, você pode encomendar diversos produtos. Temos uma linha de canecas personalizadas, nas quais você pode ter estampada a sua corrida especial, com seu número de peito, nome, tempo ou percurso. Você escolhe!

Inscreva-se no canal do POR FALAR EM CORRIDA no YouTube
Acompanhe todas as nossas aventuras também em vídeo

Deixe sua avaliação e comentários no iTunes e ajude na divulgação do podcast Por Falar em Corrida
Sua avaliação é muito importante para nós. Com ela, figuraremos sempre na lista dos podcasts populares e um dia ficaremos na frente dos podcasts sobre futebol


PFC 202 – Emerson Iser Bem YouTube:

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=sMGMcyPsGw8[/embedyt]

 

Categorias
PFC News

PFC News 105

são silvestre[powerpress] Inscrições abertas para a São Silvestre e último lote da Volta da Pampulha

Categorias
Geral

O São Silvestre

Hoje é o último dia do ano. Para quem corre, o último dia também significa que vai ter a São Silvestre. Fizemos o PFC 127 sobre a prova. Escutem lá. Ficou muito legal. No podcast falei um pouco do que penso sobre a prova. Agora vai ser a parte escrita. Já tive oportunidade de ir duas vezes na São Silvestre, em 2011 e 2012. Quando a gente não corre, talvez a única corrida que conheçamos seja a São Silvestre. E nem sabemos bem como é. Só se sabe que a Globo passa, tem um monte de gente fantasiada e com faixas querendo aparecer e que algum queniano vai vencer, embora sempre espera-se que algum brasileiro vai quebrar a hegemonia dos africanos, coisa cada vez mais rara.

Depois que passamos a correr, a São Silvestre, por tudo que a envolve, meio que vira um objetivo. Pelo menos comigo foi assim. Eu queria ir por tudo que tinha visto antes de começar a correr e pelo que vi depois que já corria. Sentia que precisava ir lá, correr e conferir de perto como era. Talvez por influência da televisão e das pessoas que sempre perguntavam se eu já tinha corrido a São Silvestre e nem ligando para a minha meia maratona sofrida sub 2 horas naquela época. Aproveitando que meus tios moram em São Paulo, fui me aventurar em terras paulistas para ver in loco a São Silvestre.

Em 2011, dei o azar tradicional e a corrida mudou o local de chegada. A largada ainda era à tarde e foi na Avenida Paulista, mas chegamos no Parque do Ibirapuera. Naquela tarde choveu muito. O parque virou um pasto, foi horrível. Pior foi meus tios terem que se deslocar da Paulista para o Parque para nos esperar, sendo que depois tivemos que voltar para a Paulista, onde estava o carro. Em 2011, conferi de perto aquele monte de gente e a impossibilidade de correr decentemente nos primeiros quilômetros. Melhora um pouco nos quilômetros finais, mas é complicado correr. A largada é um tumulto e é bem fácil você ser atropelado por pessoas que querem aparecer na televisão e ficam fora de si ao ver câmeras.

Apareceu a oportunidade e fui para a São Silvestre também em 2012. Nem era um plano como foi no ano anterior. Deu certo fui. Em 2011, fui com meu primo Fernando e a Michelle. Em 2012, com os amigos Marcelo, Luana e Rafaella. Novamente, fiz uso dos meus tios para ter hospedagem garantida. Neste ano, a chegada voltou para a Paulista e a largada passou para de manhã. Devo dizer que essas duas mudanças deixaram a corrida muita melhor. Em 2012, estava voltando de uma quase lesão na canela e correndo bem leve. Como fui sem me preocupar com tempo, larguei com calma, sem pressa e percebi que o tumulto era algo recorrente em qualquer lugar que se largasse. A parte mais legal foi chegar na Paulista. Realmente, é outra sensação sair da Brigadeiro, entrar na Paulista e ali ser a reta final da corrida.

Pois bem. Depois destes dois anos, não me apetece mais ir correr a São Silvestre. É fim de ano, tem que pegar avião, comprar passagens e tudo isso para não conseguir correr decentemente. Na São Silvestre não consigo fazer isso. Falam que é uma festa, uma celebração. Sim, é, mas eu queria correr nessa festa e não ficar naquele tumulto de 30 mil inscritos mais o dobro de pipocas. Quase uma procissão. Decidi que só volto para a São Silvestre o dia que a largada for melhor organizada e houver uma possibilidade real de correr. Prefiro as provas onde consigo desenvolver o ritmo que pretendo, mesmo que com muita gente, tipo a Golden Four. Enquanto isso não acontecer, passar o fim de ano em Floripa é muito mais agradável e mais em conta.

Como estou em Floripa, é muita coisa para fazer e ficar em função de uma corrida de fim de ano. Pelo menos, não teria custo com a hospedagem. No entanto, caso eu morasse em São Paulo e arredores, certamente a São Silvestre poderia fazer parte da minha lista de corridas (mesmo sendo uma bagunça), tal qual a Meia de Floripa, na qual vou desde 2011, e a Corrida de Angelina, onde estive em 5 das 7 edições. Para quem vai, para quem foi e para quem for na São Silvestre, divirta-se. Encare como uma festa e tudo vai dar certo. Um dia eu volto, mas não tenho vontade nenhuma. Voltamos em 2016. No caso, amanhã. Feliz ano novo, pessoal!

Categorias
Podcast PFC

PFC 127 – São Silvestre

[powerpress]

A São Silvestre é a prova mais tradicional, famosa e antiga do Brasil e acontece na cidade de São Paulo desde 1925. O limite de 30 mil inscritos foi atingido rapidamente nesta que é uma das corridas mais concorridas e esperadas pelos corredores brasileiros. Naquela reunião de família todos te perguntam se você já correu a São Silvestre, mas não estão nem aí se você já fez uma maratona. Nesta edição, vamos contar um pouco da história da São Silvestre, trazendo um pouco de informações e dados sobre a prova.

Participantes: Enio Augusto, Guilherme Preto, Nilton Generini e Mauricio Geronasso.

Assuntos mencionados na edição:

Assista à edição 127 no YouTube:

Escute o Por Falar em Corrida