Categorias
Blog do Enio

Track&Field Run Series Market Place – 25/02/2018

No dia 25 de fevereiro aconteceu a Track&Field Run Series Market Place, em São Paulo. Aproveitei que estava em São Paulo e ia bater com a data da corrida, fiz a inscrição e teria mais 10 km para tentar o sub 50. Seria um bom teste também para ver como estava o ritmo de prova. Apesar da canelite ter incomodado um pouco, já estava bem melhor e precisava ver na prática, fazendo força por mais tempo, como seria a reação do corpo.

O circuito da Track&Field é muito bom. A praticidade que nós temos de deixar o carro no estacionamento do shopping e utilizar a estrutura e banheiros ajuda muito. Como o nome diz, desta vez o local de concentração foi no Shopping Market Place, do ladinho da Marginal Pinheiros, perto da Ponte Estaiada.

Os percursos disponíveis eram de 5 km, 10 km e 21 km. Pensei em ir nos 5 km para tentar fazer um tempo bom, já que ia correr só na Marginal. Como tenho a Meia de Santiago, a treinadora achou melhor fazer os 10 km. Pensando bem, era a melhor escolha. O problema dos 10 km é que passaria algumas vezes pela Ponte Estaiada. Tendo a subida da ponte no meio do caminho, já sabia que seria mais complicado o sub 50.

Fiz minha inscrição no 3º lote e paguei R$ 109,00. Já no começo de fevereiro as inscrições estavam encerradas. O interessante é que o valor estava mais barato. O 1º lote estava a R$ 69,30. No 2º lote, passou para R$ 99,00, ainda um preço razoável. O 3º lote saiu a R$ 109,00, que foi o que eu paguei e o 4º e o último lote saiu por R$ 119,00. Este ano, o circuito Track&Field está com preço da inscrição de algumas etapas mais acessível. A do Market Place foi uma dessas etapas.

A largada foi bem cedo. Às 6 da manhã para os 21 km e às 6h30 para os 5 e 10 km. Tivemos que acordar de madrugada. Tinha todo o trajeto até o shopping. Uma das coisas boas da Track&Field, como falei antes, é o estacionamento do shopping para os atletas que participariam da corrida. Mesmo com o estacionamento, fizemos o planejamento para chegar antes e pegar vaga. Até pela largada ser às 6h, teríamos que chegar cedo.

A retirada de kit, como de costume nas provas do circuito, foi feita na loja da Track&Field no Market Place. Era nos 4 dias anteriores à corrida. Fomos no sábado e não enfrentamos fila. Foi bem tranquilo. O kit era bem simples, com camiseta, número de peito com chip, sacola e panfletos de desconto. Não teve meia. Talvez por isso o valor da inscrição tenha sido menor.

No dia da corrida, chegamos, estacionamos e fomos alinhar para largada. O objetivo era correr sub 50, mas havia a Ponte Estaiada no meio do caminho. A largada já pegava a Ponte no começo. Aproveitei que era início, estava mais descansado e tentei manter um ritmo de sub 50. Até o km 6 estava no ritmo abaixo, mas muito no limite. No 7º km já perdi alguns segundos e no km 8 ainda tinha chance.

Tinha mais uma subida antes da chegada e o cansaço já vinha aparecendo. Junto com isso, percebia que o esforço para fazer o sub 50 seria maior do que o feito até o momento. Relaxei no ritmo e só pensei em terminar com tempo abaixo do Troféu Cidade de São Paulo. No tempo líquido, terminei com 51:34, abaixo dos 52:56 da corrida anterior. O sub 50 ficou para outra corrida, mas pelo menos melhorei o tempo dos 10 km no ano.

Categorias
Blog do Enio Relatos de Corridas

Track&Field Run Series Iguatemi Florianópolis – 16/07/2017

Lá fomos nós para mais uma Track&Field Run Series Iguatemi Florianópolis. 9ª participação no circuito em Florianópolis. Mais uma vez nos 10 km. Fiz a inscrição ainda em abril. Se tivesse feito em julho, certamente teria feito nos 5 km. Até queria alterar, enviei e-mail para a organização, mas constava no regulamento que não era permitido e eles nem fizeram força para tentar. Frustrada a mudança, iria nos 10 km, como sempre tinha ido até então. Meus treinos não me deixam confiante para correr mais forte 10 km. Por isso, preferia os 5 km. Por outro lado, as provas da Track&Field Run Series em Floripa são planas e propícias para correr bem, ainda que o objetivo do recorde pessoal esteja longe.

Retirada de kit

A retirada aconteceu de quinta a sábado na loja da Track&Field no Shopping Iguatemi. Fui logo na quinta-feira com o Eduardo Hanada. No kit atleta, que foi o meu caso, veio a camiseta (muito boa como sempre), a meia (sempre bem-vinda), o número de peito, panfletos de desconto, informativos, uma barrinha de proteína, um gel e a sacola. No kit plus, vinha uma viseira a mais. Já no kit vip, além de tudo já citado, vinha uma camiseta extra, uma lancheira térmica e o acesso à área vip.O chip, como sempre, seria retirado no dia da prova, das 5h30 às 6h30. Não gosto dessa opção de retirar o chip no dia. Obriga a chegar um pouco mais cedo do que talvez quisesse chegar. O chip descartável ou até mesmo no número é muito melhor. Pena que ainda continuem com esse chip retornável.

Estrutura do evento

Além de ser uma prova plana, com largada cedo, ajudando quem quer correr bem, a estrutura é algo que conta muito para não deixar de participar da Track&Field Run Series. Os corredores têm o estacionamento do shopping liberado. Não tem aquela preocupação de chegar mais cedo para pegar lugar, para saber se vai ter vaga. Você sabe que vai chegar e vai ter lugar para estacionar. De graça. Quer dizer, está incluso no preço da inscrição, mas vale a pena. Além do estacionamento, podemos utilizar o banheiro do andar térreo do shopping. Muito melhor do que qualquer banheiro químico.

Na parte de fora do shopping, no pátio, toda a estrutura de sempre estava lá. Painéis e totens para que os corredores tirassem foto, uma tenda onde era possível pegar a foto impressa para quem usava a hashtag do evento (#mytf), área vip, guarda-volumes e tendas das assessorias. Antes da largada, tinha a tenda de entrega de chip. Como largou muito cedo, às 7h, a entrega do chip foi feita no escuro mesmo. O staff estava usando a luz da lanterna do celular para enxergar melhor. As luzes do shopping estava acesas, mas justo as perto da tenda estavam apagadas. Essa tenda, depois da largada, virou o local de entrega da água, frutas e medalhas.

Valor da inscrição

A inscrição não é das mais em conta, ainda mais para correr 5 km e 10 km, mas também não acho um absurdo. Fazendo com antecedência dava para pagar um valor justo por tudo o que a prova entrega. Mesmo no último lote, não é tão caro. No centro do país, principalmente em São Paulo, dificilmente as inscrições mais baratas chegam perto da mais cara no Kit Atleta.

Inscrições: Valor até o dia 17/04/2017
kit Atleta Valor de R$ 89 ,00 – Kit Plus Valor de R$ 119,00 – Kit VIP Valor de R$ 219,00

*1º Virada de lote: Valor De 18/04/2017 a 25/06/2017
kit Atleta Valor de R$ 99,00 – Kit Plus Valor de R$ 129,00 – Kit VIP Valor de R$ 229,00

*2º Virada de lote: De 26/06/2017 a 12/07/2017
kit Atleta Valor de R$ 109,00 – Kit Plus Valor de R$ 139,00 – Kit VIP Valor de R$ 239,00

A corrida

Fui para a Track&Field Run Series de carona com o Eduardo e a Ana. Chegamos lá por volta de 6h20 e fomos direto pegar o chip. Com o chip devidamente colocado, fui ao banheiro para a visita tradicional antes de toda corrida. Como não tinha muitos objetivos de tempo, nem fiz questão de aquecer. Neste corrida, ficou definido que eu ficaria com o câmera e faria a maioria das filmagens da cobertura do evento. Estava aí já uma boa desculpa para caso não conseguisse correr bem.

A largada foi às 7h, como previsto. Os 10 km dão duas voltas no percurso, enquanto 5 km dá uma volta só. Passei no portal com mais de 1 minuto de prova, larguei lá atrás. Fui filmando e correndo em ritmo confortável. O objetivo principal era correr abaixo de 1 hora. Não parecia uma tarefa muito difícil. Fiz duas provas de 10 km este ano, Corrida da Ponte em Curitiba e 10 KM Tribuna em Santos. Em ambas, corri abaixo de 1 hora, mas com mais sofrimento, por estar com os treinos capengas.

Desta vez, apesar dos treinos curtos, venho mantendo uma regularidade. Esperava que fosse conseguir, mas optei por não ficar olhando o ritmo. Deixei o Garmin com a volta automática de 1 km ligada e olhava cada parcial quando ele apitava. Fora isso, apenas corria na sensação de conforto. Essas parciais que me davam uma noção de como estava. Do que senti da corrida, o ritmo quase não se alterava e o relógio mostrou isso. 5:52, 5:47, 5:48, 5:56 e 5:52 nos primeiros 5 km. Sem forçar, sem pensar e sem controlar muito, passei os 5 km dentro da meta.

Ainda tinha a segunda volta, sempre mais chata, repetir o percurso dá uma desanimada. O km 6 demora e o 7º parece que nunca chega. Depois, quando aparece o retorno, as coisas ficam melhores. Por estar gravando e falando no começo da segunda volta, acabei me empolgando, acho, e fiz a melhor parcial da corrida. Saiu um 5:40. Em seguida, 5:54, 5:44, 5:51 e 5:47 no derradeiro quilômetro. Com todas as parciais abaixo de 6 min/km, o sub 1 hora estava garantido. Faltava apenas confirmar na linha de chegada para ver se a corrida teria realmente os 10 km, se teria mais ou se teria menos. Terminei a Track&Field Run Series em 58:01 no tempo oficial da prova.

Não é o tempo dos meus sonhos, mas dentro do que me propus a fazer no prova, atingi o objetivo. Corri o tempo todo segurando a câmera e filmando várias partes, sendo que em algumas delas estava falando. Foi uma corrida muito tranquila e confortável. Sem objetivo de buscar tempo, consegui encaixar um ritmo já no começo e ele se manteve ao longo de todo o percurso. Das 6 corridas que já fiz este ano, foi a que menos sofri. A melhor foi a do Circuito das Estações, mas nela cansei no fim. Nesta, até pelo ritmo mais lento, consegui ser constante e não senti cansaço.

Pós-prova

Depois de chegar, tinha água e um saco com duas bananas e uma maçã. Mais à frente, uma bandeja com água de coco e isotônico. Em seguida, era entregar o chip e receber a medalha genérica de sempre. Pelo menos, desta vez a medalha veio com o nome da etapa e a data da prova. Para quem guarda as medalhas, já é uma informação interessante para se ter. A tenda da massagem estava bem movimentada, assim como a do Instaprint, que imprimia as fotos que utilizavam a hashtag #mytf no Instagram. Tinha também muitas assessorias.

Os amigos

Apesar da prova não estar cheia como em anos anteriores, ainda tinha um número razoável de participantes. Por lá, além do Eduardo e da Ana, que me deram carona, encontrei o Guilherme, o Nilton, a Laura, o Josué, a Anne e mais um monte de gente. É sempre legal esse encontro porque o antes e o depois da corrida não ficam tão monótonas. Temos com quem conversar sobre a vida e dividir as impressões sobre a corrida. Até o durante pode ficar mais divertido, dependendo do ritmo e de quem encontrar pelo caminho. Ao fim da corrida, fui com o Eduardo e da Ana na padaria Big Pan 24 horas, que tem um espaço gourmet que oferece um café bem bom, com diversas opções de comida. É quase sempre nosso ponto de encontro depois de correr. Fazemos a reposição de tudo o que gastamos correndo e mais um pouco (ou muito).

O velho problema da distância

Esta prova tem uma particularidade quanto às distâncias. Por largar na frente do shopping e ter o retorno um pouco antes e não no local da largada, eles acabam priorizando os 10 km. Sendo assim, os 5 km acabam sempre tendo muito a mais do que o recomendável. A prova de 5 km marcar 5,13 km é um pouco demais. A prioridade acaba sendo os 10 km, mas eles sempre erram também.

Todos os relógios que olhei marcaram ou exatamente ou a menos, a maioria a menos. É pouca coisa, entre 9,96 km e 9,99 km, mas não pode dar a menos. Relógio GPS tem que marcar a mais que a distância da prova. O meu marcou exatamente 10,00 km. Se marca exato, algo está errado, já que o GPS não é tão preciso assim. É uma boa referência e esta referência nos mostra que deveria marcar um pouquinho a mais. Em casos específicos, como corridas com túneis, pode acontecer da distância dar a menor sem ter sido, mas em geral tem que ser a mais.

Pelo menos é assim que penso. Você pode dizer que faltar 10 a 30 metros não é nada, mas é a mesma coisa que te entregarem uma pizza com uma fatia mordida. Quem iria gostar? Acredito que o problema dos 10 km se resolveria se o retorno dos 2,5 km e 7,5 km fosse uns metros à frente. Talvez resolvesse. No caso dos 5 km, é mais complicado. Para dar 5, o retorno dos 2,5 km deveria ser antes e aí bagunça os 10 km, que teriam muitos metros a menos. A solução, penso eu, seria parar com essa ideia sem sentido de fazer o retorno da prova na Beira Mar. Deveriam fazer próximo ao portal de largada.

Pode ser que a questão do espaço não permita, mas então eles deveriam alterar o local de largada para a Beira Mar. Não sei se pode ou não, mas se não puder, o ideal seria fazer o retorno perto da largada, de alguma forma. Do contrário, sempre vai acontecer esse erro nas distâncias. Eventualmente, os 10 km terão a distância correta, mas os 5 km vão ficar relegados à distância secundária, meio que desprezada. Uma coisa, porém, precisa ser dita: se a pessoa bate o recorde dos 5 km com esses mais de 100 metros, pode dar os parabéns porque ela foi muito bem!

Considerações finais

Em Florianópolis, a Track&Field Run Series é uma prova que vale a pena ser feita. Aproveitar o lote inicial é sempre uma boa ideia. É um evento organizado, com ótima estrutura, que nos permite usar um amplo estacionamento e um bom banheiro. O percurso plano e a largada cedo colaboram para quem quer tentar correr bem. Outra vantagem é que 8h30 já podemos ir para casa ou talvez até já estejamos em casa. É notável também que é um público diferente, parece mais de academia. Não é um público padrão que vemos nas corridas. Tem esse pequeno problema das distâncias, mas tenho certeza que a maioria das pessoas não se importa e não liga para isso. O DataEnio, porém, sempre fica de olho. Fora isso, é difícil ir na Track&Field Run Series e se arrepender ou não gostar.

Links

Site da prova
Resultados
Blog do Eduardo Hanada

Todas as minhas participações na Track&Field Run Series

12/09/2010 – 54:35
11/09/2011 – 53:04
29/04/2012 – 47:20
02/09/2012 – 50:45
28/04/2013 – 45:46
21/09/2014 – 47:29
27/09/2015 – 48:41
16/10/2016 – 54:04
16/07/2017 – 58:01

Garmin da Track&Field Run Series Iguatemi Florianópolis

Fotos Track&Field Run Series Iguatemi Florianópolis

track&field run series
Eu e o Guilherme antes da largada
track&field run series
O Nilton apareceu na foto antes da largada
track&field run series
Nós com as medalhas
track&field run series
Nilton, Guilherme e Eduardo
track&field run series
Garmin
track&field run series
Kit da prova. Foto: Eduardo Hanada
Categorias
Blog do Enio

Mais uma Track&Field

Domingo é dia de mais uma Track&Field Run Series Florianópolis. Desde 2010, corro pelo menos uma edição por ano. Em 2012 foram duas provas. Em 2013, também tinha duas, mas fiz só uma. Já são 8 participações, todas nas provas de 10 km.

É sempre uma prova legal, pela estrutura e organização, além de ser plana e ser uma das poucas corridas em Florianópolis que quase sempre tem os 10 km. Nos últimos anos, a maioria dos GPS tem marcado 9,98 km ou perto disso. De toda forma, é uma ótima prova para tentar fazer tempo.

Uma pena que os 5 km sempre dão muito mais do que 5 km, por causa da largada e do retorno dos 10 km. Então, eles praticamente acertam nos 10 km, mas por causa disso os 5 km ficam prejudicados. Este ano, por causa das lesões, não tenho nenhuma expectativa boa de tempo.

Como fiz a inscrição em abril, escolhi a prova de 10 km, mas desde lá as coisas não foram muito bem. Tentei alterar na semana passada para 5 km, mas fui informado que o regulamento não permitia. Disseram que poderia correr os 5 km com número dos 10 km desde que não tivesse intenção de pódio.

O problema é correr 5 km em 30 minutos e vencer a prova de 10 km. Talvez corra os 10 km do jeito que der, querendo qualquer coisa abaixo de 1 hora, ou faça só os 5 km, dando apenas uma volta e esperando os primeiros colocados dos 10 km chegarem.

O Guilherme também vai e devemos fazer a cobertura da prova para o Por Falar em Corrida. Então, podem acontecer essas hipóteses ali de cima, mas também não descarto fazer uma volta mais devagar para filmar e uma mais forte, o que poderia inviabilizar o sub 1 hora.

O resumo de tudo é que não sei quanto vou correr e nem em qual tempo. Só sei que estarei lá. Nona participação em 8 anos. É uma das corridas em que mais estive presente desde que comecei a correr. Ela e a Meia de Floripa são as que quase sempre tem minha presença.

Categorias
Blog do Enio Relatos de Corridas

Track&Field Run Series Iguatemi Florianópolis – 16/10/2016

Como antecipei na sexta, domingo foi dia de correr. Estivemos na Track&Field Run Series Iguatemi Florianópolis. Fiz a prova de 10 km. Esta foi minha primeira corrida que corri sozinho desde que voltei da lesão e aos treinos mais regulares. Antes, fiz uma em dupla com o Guilherme e outra individual, mas correndo e gravando vídeos com o Guilherme durante o percurso para o Por Falar em Corrida.

Desta vez, fui eu comigo mesmo. Na largada, até corri alguns metros com o Guilherme e com o Nilton, mas não era meu dia de correr naquele ritmo. O Guilherme terminou a prova abaixo de 50 e o Nilton chegou um pouquinho antes de mim. A maior parte do tempo corri sozinho, pensando em várias coisas e torcendo para não sentir nenhum tipo de dor.

O domingo amanheceu um belo dia. O sol só apareceu bem depois da corrida terminar, mas mesmo assim estava um pouco abafado. Em alguns trechos da prova, o vento atenuava um pouco a situação, embora segurasse o ritmo. O objetivo era tentar correr sub 55 e pelo menos mais rápido do que meu pior tempo na Track&Field, que era de 54:35.

Iniciei a prova bem tranquilo. Sem forçar, mas sem ser devagar. Nos treinos, o início é sempre mais lento, mas é lento mesmo. Na corrida foi diferente. Passei o 1º km a 5:31. Não gostei muito, mas achei razoável. O 2º km foi em 5:33. Não era bom, mas o ritmo estava constante. No 3º km, saiu a pior parcial da prova: 5:41. Era quando fazíamos o retorno e também peguei um pouco de vento. Não estava precisando de muitos motivos para desacelerar.

Foi um alerta para tentar correr mais rápido. Passei o 4º km em 5:32 e o 5º km em 5:29. Foi uma primeira metade de prova bem constante. Foram 5 km em 27:46, ritmo médio de 5:33. Não estava ruim. Era mais rápido que todos os meus últimos treinos. Neste retorno, o treino mais rápido foi em 5:43. Só que dobrando este tempo, faria algo em torno de 55:32. Seria quase 1 minuto a mais do que aquele 54:35 de 2010.

No meu planejamento pré-prova, já pensava em fazer uma segunda volta mais rápida. 5 km de aquecimento seriam suficientes para tentar acelerar. O 6º km foi bom, em 5:18. O 7º km deu uma caída. Acho que vento e cansaço aparecem ali. Nas provas de 10 km, o 7º km é quase sempre um problema. Fiz 5:32. Nada mal comparando com a metade inicial, mas aquém do ritmo que pretendia para a metade final.

No 8º km consegui trazer de novo para baixo, com 5:19. No 9º km, uma tendência de ritmo mais lento se mostrava. Saiu um 5:20. Um tanto constante, mas também perdendo 1 segundo por km. No último e derradeiro quilômetro, só existia uma meta: correr com ritmo abaixo de 5 min/km. O começo foi complicado. Estive por muito tempo entre 5:10/5:15. Aliás, só soube disso porque alterei a tela do Garmin.

Durante 9 km, corri o tempo todo com a tela do Garmin mostrando tempo e distância total. Neste último quilômetro, alterei a tela para tempo total e média da volta. Precisava de um estímulo visual para correr mais rápido. Foi quando vi que não saía 5:14, 5:12, 5:13. Precisava me esforçar mais. Aí é que a gente vê que ainda tem de onde tirar e que provavelmente poderia ter feito uma corrida melhor.

O 10º km saiu com 4:57 de média. Infelizmente, no meu GPS e no de quase todos os corredores, deu menos de 10 km. O meu marcou 9,98 km. Uma lástima! A Track&Field Iguatemi está se caracterizando por dar um pouco a menos nos 10 km e um pouco a mais nos 5 km. Terminei a prova com 54:04. Projetando, daria 54:10. O objetivo possível do dia foi atingido: corri em menos de 54:35.

Comparando com a primeira metade, na parte final (contando com a projeção) foram 5 km em 26:26, ritmo médio de 5:17 min/km. Ou seja, parciais de 27:46 e 26:26 com resultado final de 10 km em supostos 54:10, ritmo médio de 5:25 min/km. Não fiquei feliz nem satisfeito com o tempo, mas foi o que deu. Até poderia ter conseguido correr um pouquinho mais rápido, mas não ia ser tanta diferença. Nas atuais condições, ficou de bom tamanho.

Não sei se é psicológico ou excesso de preocupação, mas ali pelo 3º e 4º km senti um desconforto no pé. Fiquei pensando nisso, diminui um pouco, acelerei para testar e estava me incomodando. Para a última volta, botei na cabeça que devia me preocupar só com correr. Aumentar a frequência das passadas e ir em frente. Curiosamente, não senti mais nenhum tipo de desconforto. Foi tudo dentro de uma normalidade.

Estou percebendo que sempre que corro sozinho e tenho tempo para me distrair e prestar atenção como estou correndo acabo sentindo alguma dor. Quando tenho companhia ou algo que me faça focar em outra coisa, é raro o pé incomodar. Sigo desconfiado, mas talvez seja melhor esquecer um pouco para que a corrida renda melhor. Depois de 9 km, fiz o último km abaixo de 5 min/km e sem dores. Ali era o momento de tudo doer e foi normal. Preciso correr mais livre.

Sobre o ritmo da prova, em nenhum momento me senti morrendo, mas também nunca foi tranquilo. Era um ritmo confortável, mas que me causou algum cansaço. Pode ter sido o clima abafado, mas foi uma das provas em que mais suei este ano. A chegada do verão pode ter a ver com isso também. O fato é que foi um ritmo bom. Mesmo quando acelerei no 10º km, não foi aquela sensação desagradável. Quando eu ficar confiante novamente, acredito que vou conseguir encaixar um ritmo bom desde o início.

No pós-prova, tinha água, frutas, isotônico e aquele tal de Pic-Me, um purê de frutas. Entregávamos o chip e pegamos a medalha. Até que a medalha deste ano é jeitosa. Na arena do evento havia a área vip, que não era para mim, a massagem que ficou com alguma fila ao final e o guarda-volumes, além das tendas das assessorias. Pelo que contei, 11 assessorias estiveram presentes na Track&Field.

Durante a prova tinha apenas um posto de água, mas ele atendia os dois lados da pista, tanto quem estava indo quanto quem estava voltando. Então, nos 10 km os corredores tiveram oportunidade de pegar água 4 vezes e nos 5 km puderam pegar água 2 vezes. O posto de água estava posicionado pouco antes do km 2. Como sempre, não pego água em prova de 10 km. Desta vez, quase cogitei em pegar para refrescar, mas deixei passar. Fui em jejum, o que já é bem comum e foi tudo tranquilo.

O Circuito Track&Field se diferencia dos outros porque tudo é muito redondo. Uma pena que venham errando a distância, mas no resto não tenho do que reclamar. Para quem gosta de kit, o deste ano veio bem recheado, bem mais do que nos outros anos. Costumava vir apenas camiseta e meia, às vezes uma toalha úmida. Este ano veio mais coisas: camiseta, número, meia, granola, cookies integrais, barra de proteína vegana, cupom de 15% de desconto na loja da Track&Field, free pass de 7 dias na Fórmula academia e uma revista.

Alguns podem falar do preço da inscrição, mas aqui em Florianópolis o valor foi bem justo e razoável. Inclusive, desta vez havia opção de kit atleta ou kit plus. O kit atleta era sem a meia e o kit plus com a meia. O 1º lote tinha preços de R$ 79,00 (kit atleta) e R$ 89,00 (kit plus), o 2º lote era R$ 89,00 (kit atleta) e R$ 99,00 (kit plus) e o 3º lote era R$ 99,00 (kit atleta) e R$ 109,00 (kit plus). Não me parece nada absurdo pelo que a prova entrega. O preço do 3º lote já era mais salgado, mas quem gosta do circuito já poderia ter se inscrito bem antes e aproveitado o ótimo valor do 1º lote.

Os treinos continuam rumo às meias que virão. Esta prova me deu mais confiança para tentar fazer alguns treinos mais rápidos, seja um fartlek ou um rodagem com ritmo mais acelerado. Este ritmo de domingo aplicado na meia maratona me dá o sub 2h, que é o primeiro objetivo das meias. Se os treinos encaixarem e tiverem uma melhora, quem sabe até novembro consigo aprimorar o ritmo e o fôlego para a Asics Golden Run Brasília e para a Meia de Florianópolis.

Kit da prova
Kit da prova
Equipe do Por Falar em Corrida presente na prova (Foto: Samo Fischer)
Equipe do Por Falar em Corrida presente na prova (Foto: Samo Fischer)

Categorias
Relatos de Corridas

Track&Field Run Series Iguatemi Florianópolis – 27/09/2015

Track Field Run Series Iguatemi Florianópolis
27/09/2015
Florianópolis – SC – Brasil
5 km e 10 km

Resultados

Valor da Inscrição
R$ 89,90
R$ 104,90 após 10/09

Retirada do kit
Aconteceu nos três dias que antecediam o evento, quinta, sexta e sábado, na loja da Track&Field no Shopping Iguatemi no horário de funcionamento da loja.

Kit
Kit composto por camiseta, número de peito, um par de meias, uma barrinha de cereal, um Dorflex em forma de adesivo flexível, um cupom de 15% de desconto na loja e sacola. O chip deveria ser retirado no dia da prova, das 5h30 às 6h30.

Largada
A largada foi antecipada para as 7h. Geralmente, acontece às 7h30. Semanas antes da prova, foi antecipada. Foi bom para escapar do calor (embora só tenha chovido no dia) e para terminar de forma mais rápida o evento. Os corredores largaram na hora prevista, em frente ao Shopping Iguatemi. Desta vez, havia menos pessoas e não houve problemas com a aglomeração de corredores após o início da prova.

Percurso
O percurso saía do Shopping Iguatemi e seguia pela Beira Mar Norte. Os atletas seguiam por 2,5 km e fazia o retorno. Quem fez 10 km dava duas voltas. Logo depois da largada, os atletas rapidamente chegavam nas ruas da Beira Mar e facilitou a dispersão. Não enfrentamos congestionamentos e conseguimos manter um ritmo constante durante todo o percurso. A chuva no dia da prova e dos dias anteriores formou algumas poças de água, mas nada que prejudicasse tanto os corredores.

Hidratação
Havia um posto de hidratação por volta do km 1,5. Como o percurso ia e voltava e esse posto ficava entre as duas pistas, os atletas tinham duas oportunidades de pegar água. Quem correu 10 km teve quatro chances. Hidratação adequada.

Distância
Nenhum GPS que consultamos marcou 10 km ou mais. Todos marcaram a menos. Entre 9,95 e 9,99 km. Na prova de 5 km, tivemos acesso a um GPS e este marcou 5,10 km.

Pós-prova
Os corredores que chegavam entregavam o chip em troca da medalha. Mais à frente, tinham frutas, isotônicos e água à disposição. Na retirada da medalha, os atletas recebiam também uma bananinha doce e uma lata de atum. Havia também uma tenda de massagem e uma tenda com os patrocinadores e apoiadores do evento.

Medalha
Medalha do Circuito Track&Field Run Series com fita personalizada, só que com o cuidado de constar na medalha o nome da etapa, a data e o ano da prova. Não distingue se a prova era de 5 km ou 10 km, mas como o Circuito tem apenas estas distâncias não é algo que faça muita diferença.

Comentários finais
O Circuito Track&Field Run Series já é tradicional em Florianópolis. Nós do podcast participamos desde 2010 e a organização e estrutura do evento sempre são de alto nível. Por ser em um shopping, os atletas tem estacionamento gratuito até as 11h. Além disso, o próprio shopping fica aberto e os atletas tem acesso às dependências do shopping no andar térreo. Com a chuva que caiu no domingo, foi dentro do shopping que a maioria dos corredores se abrigou. A chuva, aliás, pode ter espantado alguns corredores. O clima não estava muito empolgante para sair de casa. Como de costume, o evento foi muito bem organizado, com espaço para tendas de assessorias, massagem, patrocinadores, guarda-volumes. Se você estiver passando por Florianópolis, procure sempre pela prova da Track&Field Run Series na cidade. Se coincidir a data, vale a pena se inscrever.

*Participou da prova? Concordou com a análise? Discordou? Quer acrescentar alguma coisa? Entre em contato ou deixe sua opinião nos comentários.

Kit
PFC na T&F
Percurso

Escute o Por Falar em Corrida

Categorias
Relatos de Corridas

Track&Field Run Series Shopping Mueller – 26/04/2015

trackfield medalhaTrack&Field Run Series Shopping Mueller
26/04/2015
Curitiba – PR – Brasil
5 e 10 km

Resultados

Valor da Inscrição
R$ 89,90 – 1º lote
R$ 104,90 – 2º lote

Retirada do kit
Aconteceu nos três dias anteriores à prova, de quinta a sábado, no horário de funcionamento loja da Track&Field no Shopping Mueller. Na chegada, os corredores eram atendidos e aguardavam pouco tempo até ter o kit em mãos. Quando estivemos lá, foi bem tranquilo. O único detalhe é que não tinha mais da camiseta que solicitamos na inscrição. Eles ofereceram a opção de entregar a camiseta em uma outra etapa.

Kit
Composto de número do peito, camiseta, par de meias, clip de número de peito, uma barrinha de cereal, um cupom de 15% de desconto na Track&Field, sacola do evento, alguns panfletos e o porta medalhas. Este último item foi o que mais chamou a nossa atenção e dos nossos ouvintes. Foi a primeira vez que recebemos um porta medalhas no kit. O chip da corrida era retirado no dia da prova, das 6 às 7 horas.

Largada
A largada aconteceu em frente ao Shopping Mueller, exatamente no horário previsto às 7h30, tanto dos 5 km quanto dos 10 km. Em consultas prévias, o termômetro na rua marcada 8ºC.

Percurso
O percurso era o mesmo, mas os atletas dos 5 km faziam uma volta e os atletas dos 10 km faziam duas. O início do percurso já era em subida. Até logo após o 2º km, tinha duas boas subidas e poucas descidas. A partir daí, ainda tinha algumas subidinhas, mas nada íngreme nem tão difícil quanto as subidas do início, e as descidas. Boas descidas para aumentar o ritmo e torturar os joelhos. Os últimos 2 km do percurso eram especialmente em declive. Quem fez a prova de 10 km, enfrentou duas vezes a subida inicial. Em compensação, desceu duas vezes também.

Hidratação
Hidratação excelente. Para quem fez a prova de 5 km, havia dois postos de hidratação, no 2º e 4º km. Quem fez a prova de 10 km teve 5 postos de hidratação: os dois do 2º e 4º km e um logo quando estavam iniciando a segunda volta, logo após o 5º km.

Distância
Distância das duas provas corretas, como costuma acontecer em Curitiba.

Pós-prova
Na chegada, os atletas faziam um caminho onde podiam pegar água, isotônico, frutas e uma lata de atum. Logo em seguida, devolviam o chip e recebiam a medalha. Mais à frente, panfletos das corridas da região eram distribuídos..

Medalha
A medalha do circuito Track&Field é bem bonita. Possue o nome da prova, o local onde foi realizada, a data e o ano, além da fita personalizada com o nome da prova. Apenas notamos que não vem descrito na medalha as distâncias da prova.

Concluintes
Total: 1571 – 783 homens (50%) – 788 mulheres (50%)
5 km: 942 (60%) – 383 homens (41%) – 559 mulheres (59%)
10 km: 629 (40%) – 400 homens (64%) – 229 mulheres (36%)

Comentários finais
Como de costume, as provas da Track&Field tem um padrão muito bom. Com a etapa do Shopping Mueller, que já acontece há alguns anos em Curitiba, não foi diferente. A maior parte das ruas estavam fechadas. Alguns cruzamentos eram interrompidos enquanto os corredores passavam. Apesar de não ter a camiseta do tamanho solicitado, havia a opção de retirar ela em uma outra etapa. Até a temperatura ajudou. Estava um pouco frio, mas nublado e não choveu. Foi muito bom para quem quis correr rápido. A prova tinha as subidas iniciais, mas controlando o ritmo era possível ter um desempenho bom no fim. A grande surpresa foi receber um porta medalhas no kit. Foi algo inédito para nós. O clip de número de peito é bem interessante, mas dependendo da (falta de) habilidade e coordenação do corredor, o melhor é utilizar alfinetes para segurar o número.

*Participou da prova? Concordou com a análise? Discordou? Quer acrescentar alguma coisa? Entre em contato ou deixe sua opinião nos comentários.

tf kit
Kit
tf portal
Pouco antes da largada
tf percurso
Percurso

 

Categorias
Relatos de Corridas

Track & Field Run Series Iguatemi Florianópolis – 21/09/2014

IMG_9737Track & Field Run Series Iguatemi Florianópolis
21/09/2014
Florianópolis – SC – Brasil

Valor da inscrição
R$ 80,00 – 1º lote
R$ 95,00 – 2º lote

Retirada do kit
A retirada do kit foi no Shopping Iguatemi, na loja da Track & Field. Local fácil de chegar. A retirada de kit se deu nos três dias anteriores ao evento, de 18/09 a 20/09, no horário de funcionamento da loja, das 10 às 22 horas. Local de fácil acesso e retirada tranquila.

Kit
Kit bem interessante. Além da camiseta Thermodry®, produto exclusivo da Track&Field, veio a já tradicional meia, três barrinhas de cereal (uma novidade), toalha, cupom de desconto de 15% na loja da Track&Field e um free pass de 7 dias na Fórmula Academia. Ainda havia a possibilidade de comprar dois pães Nutrella e ganhar um porta MP3 da Track&Field. Bastava apresentar um cupom fiscal atual.

Largada
Largada anunciada para às 7:30 aconteceu no horário. As provas eram de 10 e 5 km. Ambas largaram ao mesmo tempo. Seria interessante largar com minutos de diferença. Como havia bastante gente, quem deixou para largar atrás acabou pegando um pouco de tumulto no começo.

Percurso
O percurso era em ida e volta. 2,5 km para ir e 2,5 km para voltar. 5 km era uma volta e 10 km duas voltas. A largada era em frente ao Shopping Iguatemi. Depois de uma curva para esquerda e direita, os atletas chegavam na Beira Mar, com bastante espaço para desenvolverem o seu ritmo. O percurso é praticamente plano, indicado para quem pensa em bater seu recorde ou correr forte. A chegada era, novamente, em frente ao Iguatemi. Para quem corre sempre na Beira Mar ou participa das provas da Track&Field no Iguatemi, o percurso pode ser chato e dar duas voltas pode ser um suplício.

Hidratação
Havia um posto de hidratação no km 1,5 aproximadamente e um no retorno, perto dos 5 km. Como o percurso ia e voltava, quem correu 10 km teve cinco oportunidades de pegar água. Quem correu 5, podia pegar água em pelo menos duas oportunidades.

Distância
O percurso de 10 km parece ter dado um pouco a menos, coisa de 30, 40 metros. Pode ter a ver com a tangência. Um outro ponto que pode ter influenciado é que no retorno dos 2,5 km havia um tapete de cronometragem, com cones, indicando onde voltar. Ocorre que alguns metros na frente estava uma rampinha de madeira junta ao meio-fio, indicando onde talvez fosse o ponto certo dos atletas retornarem. Como logo depois do tapete, já era possível fazer o retorno, isso pode ter influenciado na distância. Essa pode ser uma interpretação. O certo é que a Track&Field continua sendo uma prova com a distância muito próxima, praticamente exata, nos 10 km. Nos 5 km, por causa do retorno dos 10 km e da chegada, sempre tem um pouco a mais que 5 km.

Pós-prova
Depois da prova, tinha água e isotônico à vontade, bananas e maçãs. Havia uma tenda de massagem, uma da Gillette, uma da Kellogg’s (aquela dos cereais), o guarda-volumes e na retirada da medalha recebíamos uma lata de atum. A premiação aconteceu logo após o encerramento da prova de 10 km e foi bem rápida. Não houve premiação nos 10 km masculino devido a incidentes ocorridos durante e na chegada da prova, comentados na 62ª edição do podcast.

Medalha
A medalha, que pode ser vista no post de fotos da prova, tem um formato diferente, mas é padrão em todas as prova do circuito da Track&Field. Tem a fita personalizada e possui o nome e a data da realização da prova.

Concluintes
Total: 848
348 nos 10 km: 239 homens e 109 mulheres
500 nos 5 km: 233 homens e 267 mulheres

Resultados 10 km

  1. Affonso Nilton Sell Neto – 35:38
  2. Cristiano da Rosa Araujo – 36:39
  3. Carlos Beniz Couto – 37:09
  1. Júlia Krüger Romariz – 40:09
  2. Gisele Rodrigues Bertucci – 42:02
  3. Eleonora Leal Martinelli Matias – 45:56

Resultados 5 km

  1. Henrique Artico – 16:47
  2. Diogo Trindade – 17:23
  3. Clovis Sandro dos Anjos – 17:30
  1. Estafanie Bender – 18:58
  2. Ana Claudia Rodrigues – 20:22
  3. Luciane Miranda – 20:33

Comentários finais
A prova teve o padrão da Track&Field. Organização não deixou a desejar. O incidente nos 10 km foi algo inédito nas provas em Florianópolis e tirou um pouco do brilho final da premiação. Destaca-se também atletas pulando a grande para largar logo na frente, não respeitando quem já estava lá.

*Participou da prova? Concordou com a análise? Discordou? Quer acrescentar alguma coisa? Entre em contato ou deixe sua opinião nos comentários.

Categorias
Podcast PFC

PFC 62 – Track & Field Run Series Iguatemi Florianópolis

PFC62
[powerpress]
Na edição #62 do PFC todos detalhes do que aconteceu na etapa de Florianópolis do Circuito Track & Field Run Series. O kit, os resultados, o incidente que inviabilizou o resultado oficial dos 10km Masculino (briga entre os líderes?)…tudo com a participação e opinião especial de Nilton Generini e Renato Luiz Ventura.

Não perca! Corra e Escute!